21 DE MARÇO – Dia da Síndrome de Down ajuda a combater preconceito


Apae. Michele tem down e pratica esportes e artesanato – Jean Knetschik/JN

Apae. Michele tem down e pratica esportes e artesanato – Jean Knetschik/JN

Rosimery, 34 anos, gosta de dançar e esbanja alto astral. Bia, 7, é carinhosa, porém mais tímida e fala pouco. Em comum, as duas possui a Síndrome de Down, uma alteração genética no cromossomo “21”, que deve ser formado por um par, mas no caso das pessoas com a síndrome, aparece com “3” exemplares (trissomia).

Oficialmente estabelecida em 2006 e amplamente divulgada, o Dia da Síndrome de Down foi celebrado na terça-feira (21). O objetivo da data é dar visibilidade ao tema, reduzindo a origem do preconceito, que é a falta de informação correta.

Sandra Mara Marini é professora na Apae. Há dois anos trabalha com Rosimery e diz que tem sido gratificante. “Quando ela chegou, não conversava, só por gestos. Eu falo muito e comecei a estimular ela. Ela desenvolveu-se muito depois que chegou aqui”, conta. Ela observa o quão carinhosos são as pessoa com down, além de serem muito metódicas. “Enquanto a mochila não estiver pendurada do jeito que ela quer, não faz mais nada”, comenta.

A psicóloga Ivany Furtado explica que as crianças possuem olhos amendoados, músculos flácidos, mão mais áspera, língua mais larga, dificuldade para andar, falar e comer. A síndrome pode ser identificada ainda no pré-natal e quanto antes iniciar a estimulação, melhor para as pessoas com essa deficiência.

Algumas conseguem se desenvolver mais e praticar até mesmo alguns esportes. É o caso de Micheli Aparecida Terser, 37. Ela pratica jiu jitsu e voleibol fora da Apae. “Gosto de todo tipo de esporte e adoro dançar”, conta essa paranaense que veio para Navegantes há alguns anos.

Mesmo fora da Apae, Micheli não se sente vítima de qualquer tipo de preconceito. “Tenho bastante amigos e amigas. Goto muito de crianças”, destaca. Ela vai da casa para a Apae e retorna todo dia sozinha. “As pessoas são sempre boazinhas comigo”, completa.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *